terça-feira, 18 de maio de 2010

Medo

Realidade era acreditar no impossível que não chegava a ser tão impossível. Imaginação foi acreditar no desnecessário e sonhar com a possibilidade de ser real.
Era tão paupável, amável e solitário. Quase como se tivessem jogado a forma fora após terem o criado. Uma impossibilidade real.
Eu só precisava ser compensada. Você teve suas chances e agora elas estão jogadas, espalhadas pelo chão.

Quase sempre você acha que aprender errando é o melhor para nunca mais errar e se esquece de como doeu. Eu tinha medo de acertar... como pode? Medo de acertar é ter medo de viver. Então abandonei meus pensamentos com a dor de quem abandona o próprio ser e fui tentar acertar. E por ironia do destino quando eu realmente queria ganhar, eu perdi.

E agora tenho medo de errar de novo.
Alias, você perdeu. Perdeu sua chance, meu sorriso e minha gratidão.

Sua chance de me fazer muito mais feliz do que eu estava.
Meu sorriso ao te ver.
Minha gratidão por ter acreditado em acertar.

Não sei se te quero mais do que queria. Mas ainda te quero.

2 comentários:

Fernando disse...

O ainda te quero é um bom sinal!
Dê uma segunda chance a você mesma.

Abs,
seuanonimo.blogspot.com

Fabioc disse...

Como hoje é dia do nerd, vou apelar para o Ioda que, há muito tempo atrás, já dizia: o medo é o início do ódio. Não dê espaço ao medo no seu coração.

Não sinta medo, ele é uma indefinição abstrata demais para ser carregada....